PÁGINA INICIAL NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

O preço a pagar por quem recebe o lixo

O prefeito Francisco das Chagas, de Campo Grande, confirma que coletar, condensar e transportar o lixo para tão distante terá realmente um custo alto, mas, segundo ele, é viável, diante do ganho ambiental.

Para estruturar a cidade, Francisco das Chagas disse que firmou convênio com a Fundação Nacional de Saúde, no valor de R$ 800 mil, para comprar enchedeira, caminhão coletor de lixo e também a estação de transbordo para condensar o lixo urbano.

Quanto ao prejuízo da cidade de Pau dos Ferros, que vai receber o lixo das outras 43 cidades da região Oeste do RN, Leonardo Rêgo reconhece que a princípio pode-se imaginar que seja prejudicial, mas, termicamente falando, não é.

Segundo ele, do ponto de vista técnico, Pau dos Ferros nunca teria condições de ter um aterro sanitário, por não produzir a quantidade necessária que viabilize o funcionamento, mas, recebendo os resíduos sólidos de outras cidades, este sonho será concretizado.

A Prefeitura de Pau dos Ferros também terá de desembolsar recursos para desapropriar uma área de pelo menos 40 hectares, onde será construída a estrutura do aterro sanitário, com recursos do Ministério do Meio Ambiente na ordem de R$ 15 milhões.
Leonardo Rêgo disse que o imposto que será pago pela construtora que vai fazer o aterro sanitário orçado em R$ 15 milhões é bem superior ao valor que a Prefeitura vai pagar pela desapropriação da propriedade onde será construído o aterro.
(De Fato)

Nenhum comentário: