PÁGINA INICIAL NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Fifa e COL negam ameaça à Copa das Confederações, mas devem aumentar segurança

Por meio de um pronunciamento oficial, nesta sexta-feira, a Fifa e o COL negaram qualquer discussão sobre a suspensão da Copa das Confederações por conta da onda de protestos e casos de violência pelo país. Na quinta-feira, após ataques ao hotel e ônibus da entidade em Salvador, a entidade ameaçou parar a competição em caso de novos problemas com as delegações. Mas há a forte possibilidade de aumentar a segurança nos locais ligados à competição, como centros de distribuição de ingressos e hotéis. Isso não inclui os estádios, que já contam com forte presença policial.

"Nós apoiamos o livre direito de expressão de qualquer pessoa protestar. Condenamos violência. E temos total confiança nas autoridades. Em nenhum estágio, a Fifa, o COL, ou governo federal pensou em suspender a Copa das Confederações. Estamos em contato com os times, os mantemos informados e não recebemos nenhum pedido [de times] para que saiam da competição", afirmou o porta-voz da Fifa, Pekka Odrizola.

Apesar do discurso oficial, o UOL Esporte apurou que a Fifa deu um ultimato ao governo brasileiro: ou as autoridades nacionais garantem a segurança da Copa das Confederações, dos jogadores, comitivas e membros da imprensa internacional que estão no Brasil, ou irá cancelar a realização do evento. Isso ocorreu depois de ataque ao ônibus oficial da entidade em Salvador, assim como uma tentativa de invasão do hotel oficial da organização máxima do futebol.

Os funcionários da Fifa ficaram bastante assustados com os ataques ocorridos em Salvador, segundo apurou a reportagem. Brasileiros que trabalham para o comitê e para a entidade passarma a tentar acalmá-los. A entidade ainda insiste oficialmente não ter relação direta com os protestos. Mas há uma tentativa de melhorar a imagem com o público brasileiro.

Nenhum comentário: