PÁGINA INICIAL NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

E o presidente do PT, o que pensa da imprensa e do MP?


O presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse ontem que a imprensa e setores do Ministério Público tentam “interditar” a política e por isso devem ser combatidos pelo partido.

Em reunião da bancada do PT na Câmara, associou essa suposta prática ao nazismo e ao fascismo. 

Ao defender que os deputados petistas trabalhem pela regulamentação dos meios de comunicação, Falcão disse que a mídia “abre campo para as aventuras golpistas”. 

“São esses a quem nominei que tentam interditar a política no Brasil e fazem com que ao mesmo tempo desqualifiquem a política. Quando desqualificamos a política, a gente abre campo para as aventuras golpistas, para experiências que no passado levaram ao nazismo e ao fascismo, que devemos definitivamente afastar do nosso país.” 

Falcão disse que a imprensa e setores do Ministério Público integram o que ele chama de “oposição extrapartidária” e que há um “conluio” de quem não se conforma com a perda de privilégios. 

Ele mencionou a ação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que disse anteontem que deve enviar para a primeira instância um pedido de investigação do ex-presidente Lula por suposta participação no mensalão. 

Ele citou ainda Judith Brito, superintendente da Folha e vice-presidente da ANJ (Associação Nacional de Jornais). 

“Sejamos francos: quem é a oposição no Brasil? Há oposição dos partidos políticos, mas há oposição mais forte, mas que não mostra a cara, quando poderia fazê-lo. É o que chamo de oposição extrapartidária, que se materializa numa declaração que a imprensa veiculou de Judith Brito, que disse com todas as letras: ‘como a oposição não cumpre seu papel, nós temos que fazer’. E vem fazendo.” 

Sobre crítica semelhante, Brito disse em 2010:

“O que a ANJ tem feito em suas manifestações, como sempre, é defender a liberdade de expressão, frente às seguidas tentativas do governo de criar regras para controlar os veículos de imprensa e os jornalistas”. 

“O jornalismo sério num país democrático precisa ser livre e pluralista. No entanto, há grupos dentro deste governo que querem ouvir apenas um tipo de notícia e opinião: as favoráveis ao próprio governo. Esse papel da imprensa é exercido igualmente em relação ao governo e à oposição, e isso pode ser constatado todos os dias”, completou. 

Para o presidente do PT, a proposta de regulamentação da mídia é “legítima” porque regulamentaria a Constituição.

No governo Lula, a ideia ganhou contornos com um anteprojeto do ex-ministro Franklin Martins (Comunicação).

Ontem, Franklin reuniu-se com a presidente Dilma Rousseff, mas não quis dizer sobre o que trataram.
(UOL)

Do Blog: Acho que aqueles que pensam assim do Ministério Público, e são favoráveis ao cala-boca do órgão que está combatendo a corrupção deste país, está prestando um desserviço aos cidadão sérios. Para não chamá-lo de cúmplice da bandalheira pobre do partido.

Nenhum comentário: