PÁGINA INICIAL NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA

terça-feira, 31 de maio de 2011

Senado ‘apaga’ da história o impeachment de Collor

A história, como se sabe, é senhora seletiva. Só o fato notável sobrevive ao corredor frio da posteridade.

No Senado, há um ‘Túnel do Tempo’. Cruzam-no os visitantes. Atravessam-no os senadores, no caminho entre os gabinetes e o plenário.

As paredes do tal túnel são ornadas com painéis que retratam episódios marcantes da vida republicana.

Pois bem. Sob a presidência de José Sarney, o Senado decidiu reescrever um pedaço da história.

Arrancou das paredes os painéis que retratavam o impeachment de Fernando Collor. Por quê? Ouça-se Sarney:

“...Talvez esse episódio seja apenas um acidente que não devia ter acontecido na história do Brasil...”

“...Mas não é tão marcante como foram os fatos que aqui estão contados, que foram os que construíram a história e não os que, de certo modo, não deviam ter acontecido”.

Ou seja, do ponto de vista de Sarney, 1992, o ano em que o Senado aprovou o impeachment, deve ser passado na borracha porque não deveria ter acontecido.

Hoje senador, Collor não merece enxergar as imagens de “um acidente” fortuito penduradas no túnel que é compelido a cruzar.

Em parte, Sarney tem razão. A história está repleta de fatos que não deveriam ter acontecido. Sua tetrapresidência no Senado é um deles.

O diabo é que, ao tentar esconder o inescondível, Sarney rende-se à política do avestruz. Enfia a cabeça do Senado no inaceitável.

Cabe a pergunta: os demais senadores vão permitir? Por ora, não se ouviu palavra.
(Josias de Souza)

Nenhum comentário: