PÁGINA INICIAL NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Da coluna de César Santos (Jornal De Fato)

Deu na Folha de S.Paulo: “O líder do governo na Câmara dos Deputados, Cândido Vaccarezza (PT-SP), defendeu ontem a reintegração do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares ao partido.” Delúbio, para quem não se lembra, é o “pai do mensalão”, escândalo que sujou a rampa do Palácio na primeira metade do primeiro governo Lula e que o PT expulsou de seus quadros para brindar o governo.

Para Vaccarezza, não é justo Delúbio ficar de fora do partido por tanto tempo, porque “todos eles [os envolvidos] já pagaram um preço maior do que seus pecados.” A defesa do “Vacca” – me permita a intimidade – não surpreende. Em se tratando do PT, menos ainda.

Na concepção ética dos petistas, Delúbio apenas cometeu “um erro político”, que eles não consideram corrupção. Os milhões de reais desviados dos cofres públicos, com as digitais de Delúbio e do carequinha Marcos Valério, são apenas detalhes. É assim que o PT pensa. Então, sob esse ponto de vista – de banalização do crime de corrupção –, Vaccarezza está certo: Delúbio é apenas um mocinho esperto, que fez um serviço em nome do governo e do PT. Não é justo mantê-lo fora do partido. Daí, o movimento “volta Delúbio”, que ganha força e deve subir a rampa do Planalto nos dias próximos.

O povo já esqueceu. Delúbio é útil na engrenagem da máquina corrupta. Vala comum. O PMDB também segue esse caminho – de cara lisa, claro – para se justificar diante da traquinagem com o dinheiro público. O cearense Danilo Forte, que viu desaparecer meio bilhão de reais da Funasa no período em que presidiu a fundação (entre 2007 e 2010), saiu com essa para amenizar os malfeitos: “Até no Vaticano teve corrupção.” Ou seja, se na sagrada “Casa do Pai” há corrupção, por que eles, do PMDB, pobres mortais, não podem colocar a mão na cumbuca? Danilo Forte fala com autoridade de quem passou recentemente pelo julgamento popular: ele foi eleito deputado federal pelo Estado do Ceará.

E assim caminha a política brasileira, de Delúbios, Danilos, Genoinos, Dirceus, Renans, Sarneys, Erenices, Arrudas, dólares na cueca, nas meias, nas sacolas...

Nenhum comentário: