PÁGINA INICIAL NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA NOME DA CASA

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Deu no blog do Josias

Quem não gostava de Lula, bem feito. Agora vai ter que engolir Lula e a mulher de Lula”. A frase acima é do deputado Henrique Eduardo Alves, líder do PMDB na Câmara. Ele a repete à exaustão nos comícios que realiza no Rio Grande do Norte.

Candidato à reeleição, Henrique escora sua campanha nas “conquistas” da gestão Lula. O deputado corre o mapa de seu Estado. Sobre o palanque, pede votos para si, para os seus e para a “a mulher de Lula”.

A conversão de Dilma Rousseff em primeira-dama informal já rendeu ao deputado uma queixa da titular do posto. Num comício realizado na sexta-feira (24), na cidade de Macau, Henrique contou à platéia que o presidente do PT, José Eduardo Dutra, o havia procurado.

Trazia um recado de Marisa Letícia: “Dutra, avise ao deputado Henrique que a mulher de Lula sou eu”. O deputado não se deu por achado: “Eu disse ao Dutra: diga pra dona Marisa que, até 3 de outubro, a mulher de Lula não é ela, é Dilma”.

Noutro trecho do discurso, disse: “Se a mulher de Lula não ganhar essa eleição, o povo ia pensar: por que o Bolsa Família, o Luz pra Todos, o Minha Casa, Minha Vida?…”

A maioria dos comícios de Henrique é transmitida ao vivo pela internet. Algo que permitiu ao signatário do blog seguir os passos do deputado.

Na noite passada, Henrique discursou para uma platéia de São Gonçalo do Amarante: “Para presidente da República, São Gonçalo, eu sou Lula radical…” “…Sei o que esse homem fez pelo Brasil”. De novo, pôs-se a enunciar os programas sociais deflagrados sob Lula.

E arrematou: “Por isso a sua mulher vai se eleger, para continuar o governo dele. Vamos continuar o governo Lula votando na mulher de Lula”.

Henrique apresenta-se ao eleitorado como líder influente. No palanque de Macau, discorreu sobre o modo como obtém verbas para sua base eleitoral. “Não é que eu seja danado. É que o Lula manda os projetos para os deputados aprovarem na Câmara. Depois, ele manda chamar os líderes…”

“…Ele diz: ‘líder, preciso do apoio do PMDB para aprovar esse projeto. No plenário, digo sim e aplaudo. Dou a Lula 94 votos da bancada do PMDB…”

“…Os ministros me ligam agradecendo. Uma semana depois, o prefeito chega lá. E eu digo aos ministros: quando queriam aprovar, dei os votos. Pois agora quero que atendam o prefeito”.

Nesse ponto, Henrique olhou para o prefeito de Macau, Flávio Veras, a seu lado no palanque. Sob Dilma, disse ele, as demandas da cidade serão providas mais rapidamente. “Eu tinha o Lula. Agora vou ter a presidente e o vice-presidente, meu amigo do peito, Michel Temer”.

“Eu conseguia as coisas com Lula. Agora vai ter a mulher dele. Se algum projeto do Veras eu não conseguir resolver como deputado…” “…Eu vou levar para tomar café, para almoçar e jantar com ele o vice-presidente da República. É ele quem vai resolver”.

No dizer de Henrique, Temer “vai governar o Brasil com Dilma, a quatro mãos”. Consideera-se responsável pela ascenção do “amigo”. “Ele [Temer] só está na chapa, como vice, porque Henrique brigou na bancada. Diziam que ia ser o Henrique Meirelles [presidente do BC]…”

“…Não, o vice dela vai ser o Michel, presidente nacional PMDB. Então, quando eu não puder resolver, quem vai tomar café, almoçar com vocês, é o vice-presidente”. O deputado também assegura aos eleitores que seu poder vai aumentar. Entre as promessas que pronuncia está a seguinte:

“Eu vou ser o próximo presidente da Câmara dos Deputados do Brasil. Eleito, eu vou botar vou botar pra quebrar, pra ajudar o meu prefeito”.

Henrique é, entre os 513 deputados da Câmara, o dono do mandato mais longevo: 40 anos. Caminha para a 11ª legislatura. Vai disputar a presidência da Casa com um petista, provavelmente Cândido Vaccarezza (SP), atual líder de Lula na Câmara.

Nos subterrâneos, firmaram um acordo. Prevê que cada um comandará a Câmara por dois anos. Vaccarezza reivindica para si o primeiro biênio. Porém…

Porém, a julgar pela desenvoltura de Henrique nos comícios, o PMDB não considera a hipótese de abrir mão da primazia.

Se necessário, Henrique recorrerá à “mulher de Lula”. Para ele, a primeira-dama extra-oficial está eleita.

Nenhum comentário: